Presépio: representação da natividade

Imagem Presépio: representação da natividade

Um dos momentos mais interessantes para reunir a família e as crianças em uma verdadeira catequese no Tempo do Advento, de preparação para primeira vinda de Jesus, Sua natividade, é a montagem do presépio.

Ele deve permanecer montado até o dia 06 de janeiro, quando celebramos a Solenidade da Epifania do Senhor. A palavra vem do latim “praesaepe” e significa “curral”, “estrebaria”. Já aqui podemos visualizar a beleza dos planos de Deus para a humanidade ao mandar Seu Filho nascer na humildade, na pobreza.

 História do presépio

 A  ideia de montar a cena da natividade de Jesus como um instrumento que auxiliasse na evangelização foi de São Francisco de Assis, em 1223. Nessa época a Igreja não permitia representações (teatros, jograis ou semelhantes) de passagens bíblicas, mas São Francisco foi corajoso e vanguardista, pedindo a extinção desta proibição para que, com o presépio, os fieis pudessem entender com mais clareza o nascimento do Senhor.

No Brasil, a natividade de Jesus foi representada pela primeira vez por um presépio em 1552, por iniciativa do padre José de Anchieta aos índios e colonos portugueses.

Desde então o mundo se rende a esta cena. Não importa o tamanho, desde que esteja em um local visível, por onde todos passam para que, ao vê-lo, parem por alguns segundos, façam suas orações e, desta forma, se prepararem para o nascimento, a natividade de nosso Salvador.

O significado dos personagens

Todo presépio que retrata a cena da natividade de Jesus possui personagens que todos conhecemos. Em alguns casos, sabemos o porquê estão ali. Mas vale a pena relembrar ou aprender:

  • Animais: representam a natureza a serviço de Deus. Também simbolizam a simplicidade em que Deus feito homem nasceu;
  • Pastores: foram os primeiros a chegar. Também simbolizam a humildade, pois, naquele tempo, esta profissão era uma das menos valorizadas.;
  • Anjo: representa o céu em festa pela natividade de Jesus. É o mensageiro da Boa Nova. Por isso seguram uma faixa com a frase “Glória a Deus nas alturas”;
  • Estrela: simboliza a luz de Deus que guiou os Reis Magos ao encontro do Menino. É ela que nos mostra por onde devemos caminhar para que este encontro também aconteça em nossa vida;
  • Reis Magos: dotados de grande sabedoria, Belchior, Gaspar e Baltazar representam a ciência que vai até o Salvador e O reconhece como Deus;
  • Ouro, incenso e mirra: são os presentes levados pelos Reis Magos. O ouro significa a realeza. O incenso, a divindade. Sua fumaça representa as orações que sobem aos céus. E a mirra representa o sofrimento e eternidade. Este último trata-se de uma profecia, anunciando o sofrimento de Jesus, mas também a eternidade de Seu reinado.

 A natividade representada pelo mundo

Como dissemos, não importa o tamanho do seu presépio, desde que seja montado com amor e esperança pela chegada de Jesus. Mas, por ser uma tradição tão enraizada em todos os países católicos, os presépios foram ganhando fama e beleza. Listamos aqui os sete mais incríveis, fruto de uma arte secular, a preseparia:

  1. Na cidade espanhola de Valência, um gigantesco: são seis mil peças distribuídas em mais de 20 cenas da vida de Jesus.
  2. Ao visitar a República Checa nesta época de Natal, você conhecerá o maior presépio mecânico do mundo! Criado por um artista local no final do século XIX, possui 1398 peças, das quais 133 com movimentos (animais, músicos, lenhadores e ferreiros).
  3. A cidade de Quito, no Peru, recebeu em 2011 das monjas carmelitas um grande presente: a abertura à visitação de um presépio de mais de 300 anos com 500 peças que ocupa toda uma sala do convento e representa várias cenas da natividade de Jesus. Entre as peças estão bonecas dadas pelos pais das noviças como dote à Igreja.
  4. Em Nápoles, na Itália, por volta do século XVIII, se criou uma grande escola de presépios. Um dos mais famosos, que hoje se encontra na cidade espanhola de Sevilha, é reconhecido pela riqueza nos detalhes das peças, com expressões faciais bem marcadas, e de seus figurinos.
  5. Este destaque também vem de Nápoles, mas não por conta das ricas expressões de suas peças ou de seus figurinos, mas por representar a natividade de Jesus dentro de um grande cenário de 110 metros quadrados de um vilarejo! São 1.600 peças que representam diversas cenas do cotidiano, como pessoas estendendo roupas, engraxando sapato, comendo macarrão, amamentando etc.
  6. Nem só de madeira se constrói os personagens da natividade de Jesus. Também há representações do nascimento de Jesus em areia! E o mais interessante é que os personagens são inseridos em situações do nosso cotidiano, como aconteceu em 2016, quando a Sagrada Família representou imigrantes, chegando de barco à costa italiana.
  7. A criatividade é fundamental: a República Checa já realizou um presépio com 1.806 peças comestíveis!

 

Leia Também

Pesquisar